sexta-feira, março 19, 2010

O inexorável

Da mesma forma que queria desviar meu coração de amar você e poder controlar o inexorável. Por ora minha mente vaga em pensamentos nos quais torna-se impossível só guardar o que sinto sem me causar grande angústia. Como outrora dito, as simples alegrias podem em tenro. Como seria viver em um mundo onde tocar em você não torna este ato desrespeitoso, visto que por grande esforço me conter tenho, não que queira mais que por meu peito junto ao seu e fechar meus olhos. A este ponto do pensamento sobre o fato desejado, me refiro ao instante dirijo esta, a cena que me vem a mente é algo similar a nostalgia extrema, tênue e em muitas vezes inefável, imagine quando se tem um grande vontade de gritar, e é como se o fizeste e mesmo assim o mundo em volta segue firme enquanto este universo simplesmente para, - lágrimas, sorrisos, lugares, dias em instantes, tudo que já foi dito, escrito e tocado. E por tudo que possa existir entre todas as coisas, uma, única, singular, coisa não muda: O inexorável.

Um comentário:

Madalena Guimarães disse...

Amei o blog. Poesia pura.